sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

0 comentários



A faca deslizava sobre a tábua de cortes picando a cebola. O cheiro do molho já estava dominando a cozinha, mas a mente dela não estava presa ali. Ela tentava se concentrar na faca e em seus dedos para não se cortar, mas estava cada vez mais difícil, a presença dele ali, no outro cômodo era mais forte. Sua mente divagava entre as certezas da vida e não ouviu sua aproximação sorrateira.
Os passos eram leves para que ela não ouvisse. Seu corpo adentrou a cozinha calmamente e não se deteve muito a observá-la trabalhar com a faca. Seu corpo se aproximou ao dela e suas mãos envolveram sua cintura a abraçando.

- O cheiro está delicioso

A reação do corpo dela foi involuntária. Sua mão apertou mais forte o cabo da faca e os movimentos cessaram.  Seu corpo ficou paralisado. Estava difícil manter a barreira firme em sua mente. Os sentimentos queriam passar para o outro lado, mas ela insistia em deixar eles bem ali, quietos do lado da amizade. Eles saltitavam em sua mente querendo ver do outro lado do muro, tentavam escalar, quebrar, furar, mas ela estava se mantendo o mais firme possível. Mas aquele gesto dele não ajudava em nada.

- Não devia me abraçar assim.

As palavras saíram fracas, era algo mais para ela que para ele. A posição dele era clara. Ele já havia dito que eram apenas amigos e isso deveria ser normal para ele. Olhou para a faca e para as cebolas e viu que estavam mais que picadas.

- Logo mais estará pronto

Sorrio fraco e tentou se afastar na direção do fogão. Ele soltou os braços e a observou.

- E porque não deveria te abraçar assim?

A pergunta a pegou de surpresa. Ela não queria que ele tivesse ouvido a exclamação. Caminhou até a panela e começou a dourar as cebolas. Seu olhar estava fixo no fogão. Mexeu o molho com a mão extra e focou no que estava fazendo

- Oras... Por que não... isso é tão... casalzinho.

Tentou que suas palavras fossem o mais natural possível. Pegou a carne que já estava separada e colocou na panela mexendo sem parar. Agregou os temperos.
Ele a observava, pensando em suas palavras e atento a cada movimento de seu corpo. Quando ela parou de mexer e tampou a panela observou seu corpo ir na direção da pia para lavar as mãos. Se aproximou novamente e a abraçou agora mais forte. Seus lábios se aproximaram de seu ouvido e sussurrou

- Gosto de... casalzinho

O corpo dela não sabia mais como agir. Muito menos sua mente que agora estava mais confusa ainda. Piscou algumas vezes tentando associar as palavras e buscando um sentido, um significado. Seu corpo girou dentro do abraço dele e seus olhos encararam os dele. Seu olhar tentava decifrar o que ele pensava, o que ele queria, mas ela mal conseguia entender o que ela queria. Abriu a boca para falar algo, mas fechou novamente. Sua mão rumou até o rosto dele e acariciou de leve.

Começou a ouvir um barulho ao longe, algo que não parava de perturbá-la, algo que a fez abrir os olhos. Os primeiros raios de sol já adentravam ao quarto e a mão foi pesada e com raiva até o celular para desligar o despertador. Seus olhos olhavam em volta, mas ele não estava ali.


Por Ana Carolina Giorgion - 26/02/2016 J.V.

Poll

Lorem Ipsum

Total Pageviews

Tecnologia do Blogger.

About Me

About Me

Ocorreu um erro neste gadget

Popular Posts